20 de dez de 2010

Praça Carlos Gomes - Campinas SP


Antônio Carlos Gomes dá nome a museu, jardim, escola, conservatório e até bar, na cidade onde nasceu, em 11 de julho de 1836, então chamada Vila de São Carlos. Na Região Metropolitana não é diferente. O compositor é nome de rua em Americana, Hortolândia, Indaiatuba, Paulínia, Santa Bárbara D’Oeste, Sumaré e Valinhos; é nome de praça em Campinas e Jaguariúna; e lembrado em monumentos de Campinas e Pedreira. Ele foi um gênio. Morreu há quase 108 anos, mas sempre presente na mente das pessoas da região, Brasil e em muitos países europeus. Em São Paulo, faria seus primeiros sucessos: Hino Acadêmico e a modinha Tão Longe de mim Distante. A partir desta época, o Tonico dos amigos começou a dar lugar ao admirado músico Antônio Carlos Gomes. Voltou a Campinas, mas em 1860, cansado do estilo de vida do interior, foi para o Rio de Janeiro sem a permissão do pai. Depois, escreveu a ele pedindo a benção e o perdão. No Rio, Carlos Gomes conheceu a Condessa do Barral, admiradora de suas canções, que o apresentou ao imperador D. Pedro II, de quem conquistou admiração, respeito e proteção. Foi por ordem imperial que matriculou-se no Conservatório de Francisco Manuel, onde compôs sua cantata, que executou no encerramento do curso. No ano seguinte, encenou sua primeira ópera, A Noite do Castelo, com grande sucesso. Em 1863, novo sucesso com a segunda ópera, Joana de Flandres. D. Pedro II, entusiasmado com o jovem maestro, bancou sua viagem para a Europa. Na Itália, Carlos Gomes estudou no Conservatório de Milão, com o maestro Lauro Rossi, e diplomou-se como maestro compositor aos 30 anos. A consagração internacional viria com a representação grandiosa de O Guarani no maior teatro lírico do mundo, o Scala, em 1870, que valeu o reconhecimento do compositor italiano Giuseppe Verdi.